RIP - Malcolm Young (AC/DC) - We Salute You!

Entrevista: Otis

Começar uma carreira com um disco de homenagem não é muito vulgar. Mas foi que aconteceu com os Otis, banda do Kentucky. Independentemente da importância desse álbum de estreia, as coisas mudaram radicalmente com o novo trabalho, Eyes Of The Sun, que tão bem recebido tem sido. Fomos então perceber esse caminho percorrido pelos sulistas e que alterações foram essas, nas palavras do guitarrista Steve Jewell Jr.

Olá Steve, tudo bem? Novo álbum nas ruas, qual é o sentimento no seio da banda?
Viva, estamos todos bem! Não poderíamos estar mais felizes com este novo álbum! Trabalhamos muito para o fazer e estamos muito entusiasmados com o facto de todos o poderem ouvir. Estamos muito agradecidos por todas as grandes reviews originárias de todo o mundo. As pessoas estão a aproveitar o nosso novo álbum e não poderíamos estar mais abençoados ou agradecidos!

Sendo uma banda jovem, podes contar-nos um pouco do vosso trajeto até agora?
Claro! Somos quatro jovens do ótimo estado do Kentucky no sul dos Estados Unidos. Todos nós quatro crescemos na mesma área e em pequenas cidades vizinhas. Todos nós quatro nos Otis começamos e crescemos a tocar música com os nossos pais e familiares. Crescemos a ouvir o country tradicional, bluegrass, rock clássico, rock sulista, blues, soul, funk, R & B. Todos nós nos conhecemos da nossa cena local de música e, eventualmente, levou a que todos nós estejamos nos Otis. Somos da mesma cidade dos The Kentucky HeadHunters e Black Stone Cherry. Ambas as bandas estão bem estabelecidas e são bem conhecidas em todo o mundo e até já ganharam prémios como Grammys. A fasquia subiu bastante na nossa região! E até agora, ambas as bandas têm sido extremamente solidárias com a nossa carreira, pelo que nem lhes conseguimos agradecer o suficiente.

Que nomes ou movimentos mais vos influenciaram?
Toda a música icónica gravada pela Chess Records em Chicago nos anos 50 como Muddy Waters, Howlin 'Wolf e Elmore James. Cantores de soul dos anos 50 e 60, como Otis Redding, Ray Charles e Aretha Franklin. Música vinda da Europa nos anos 60, como Cream, The Beatles, Free, Fleetwood Mac com Peter Green, Led Zeppelin, Jeff Beck Group e The Who. E claro, as icónicas bandas de rock dos anos 70, como The Allman Brothers, Marshall Tucker, Johnny Winter, ZZ Top, Tom Petty, Wet Willie e Charlie Daniels. Acima de tudo, Roots music. Nós inspiramo-nos na honestidade, histórias e pureza que existe na roots music.

Mudou alguma coisa na vossa maneira de trabalhar do primeiro disco para este?
Sim, drasticamente. O nosso primeiro disco foi abençoado por termos trabalhado com o nosso amigo e mentor Greg Martin dos The Kentucky HeadHunters. Ele teve uma ideia de fazer um disco de tributo a um tipo chamado John Brim, um Bluesman do Kentucky dos anos 50 e que também gravou para a Chess Records. Escrevemos os nossos próprios arranjos para 10 das músicas de John Brim. Greg Martin produziu o disco com o nosso amigo David Barrick, que também foi o engenheiro do álbum (David também é o engenheiro e co-produtor do nosso novo álbum) e o nosso amigo Dean Smith. O álbum também contou com Jimmy Hall, de Wet Willie, às vezes vocalista de Jeff Beck, na harmónica. Queríamos fazer o nosso melhor para honrar John Brim e a sua música, por isso estudamos afincadamente o blues e ouvimos muita música lançada pela Chess Records. Também lemos muita coisa como o livro Deep Blues de Robert Palmer. Usamos todas as artes vintage para gravar esse álbum. Amplificadores Fender dos anos 40, velhas guitarras e amplificadores Gibson. Queríamos apresentar um álbum que fosse o mais honesto e puro possível mas também com a mentalidade de uma banda de rock and roll a entrar na Chess Records para gravar um álbum. Esse álbum ensinou-nos muito sobre música e isso tornou-nos melhores compositores, melhores ouvintes, a tocar melhor uns com os outros e abriram-se os olhos para o que são as raízes da música.

Billy Gibbons dos ZZ Top fez um grande elogio ao vosso álbum. Como se sentiram com as suas palavras? Naturalmente lisonjeados, mas também assustados ou não?
Foi um sentimento tão grande e de humildade. Crescemos a ouvir ZZ Top, enquanto miúdos aprendemos a tocar as suas, temos posters deles nas paredes do nosso quarto. Claro que sonhas que talvez um dia encontres os teus heróis, mas eles tornarem-se fãs da tua banda e comentarem o quanto eles gostam da tua música, é um sonho tornado realidade. Billy tem sido muito simpático e apoiado muito. Ele é o melhor!

A produção de Eyes Of The Sun esteve a cargo de outro grande nome que é Paul Nelson. Como foi a experiência de trabalhar com ele?
Foi ótima! Somos grandes fãs de Johnny Winter e Paul é um grande músico e tocou, bem como produziu alguns álbuns de Johnny. Um álbum que Paul produziu para Johnny deu-lhe o seu primeiro Grammy. Paul veio na última metade do disco, trouxe muitas ideias fantásticas e ajudou a juntar as coisas. Também temos uma música no nosso álbum intitulada Lovin 'Man, onde Paul toca.

Já têm algum vídeo extraído tirado deste álbum?
Temos um vídeo musical para o nosso primeiro single, Blind Hawg, que podem encontrar no nosso site.

Como está a decorrer a promoção de Eyes Of The Sun?
As coisas estão ótimas! O contrato que assinamos com a Cleopatra Records, de Los Angeles, Califórnia foi ótimo e muito solidário. Toda a nossa equipa tem trabalhado muito para empurrar o nosso novo álbum e estamos a receber muitas boas críticas e a ter airplay. As coisas estão a ir muito bem.

Sei que tiveram e ainda terão algumas datas agora em outubro. E depois, o que tem confirmado?
Temos novas datas da tournée a serem anunciadas todas as semanas! Datas até terminarmos a nossa tournée no fim de 2017. A nossa equipa está a trabalhar para conseguir uma tour em 2018. Encorajamos as pessoas a conferir as nossas datas no nosso site, a vir ver-nos e a fazerem parte da família Otis.

Muito obrigado, Steve! Dou-te a oportunidade de acrescentar o que quiseres...
Gostaríamos de agradecer a todos os que apoiaram o nosso novo álbum. Não vos podemos agradecer o suficiente! Muito obrigado a todos na Via Nocturna. Certifiquem-se que nos acompanham no nosso site e nas redes sociais. Nós gostamos de interagir e conversar com todos! Esperamos ver-vos a todos na estrada em breve!