segunda-feira, 31 de julho de 2017

Entrevista: Cydemind



A utilização do violino no rock não é de hoje, mas a forma como os Cydemind o fazem é que é inovador. Fazer prog metal onde a voz não existe e o violino assume muitas das partes acaba por ser o que se propõem fazer estes canadianos. O resultado é sensacional até porque as estruturas dos temas são muito ricas e frequentemente tocam no jazz. O violinista Olivier Allard e o guitarrista Kevin Paquet foram os nossos convidados para esta conversa.

Olá pessoal! A vossa banda é deveras inovadora. Podem explicar-nos como surgiu a ideia de criar uma banda progressiva tendo o violino como figura principal?
O nossa violinista e ex-baixista Olivier Élie tiveram a ideia de formar uma banda para tocar versões de Dream Theater e David Garrett. Passado algum tempo, surgiu a ideia de começar a escrever música original. David Garrett foi ídolo de adolescente do Olivier e era o seu desejo incorporar o estilo de tocar de Garrett numa banda de prog metal.

Surpreendentemente, o vosso estilo acaba por ser também por ser muito mais do que simples prog metal. Têm um background clássico ou de jazz?
Sim. Camille tem formação clássica de piano e Olivier está a começar o doutoramento em interpretação clássica de violino na Universidade de Montréal. Ninguém tem background de jazz, mas adoramos ouvir alguns artistas de jazz como Avishai Cohen, Tigran Hamasyan e Hiromi. Seguramente, há influência destes músicos na nossa música.

E é fácil juntar estes estilos no processo criativo? Como funciona a composição?
Quando compomos música, a nossa única regra é que deve soar bem. Temos a natural tendência de misturar géneros, provavelmente porque ouvimos muitos tipos diferentes de música.

E, definitivamente, um vocalista é algo que os Cydemind não precisam... Será para continuar assim ou têm ideias para experimentar a inclusão de vozes?
Não está realmente nas nossas intenções incluir um cantor em Cydemind. Não iríamos escrever tão livremente como o fazemos agora se tivéssemos um vocalista na banda. Encontramos tudo o que queremos dizer através da música e não das letras. Dito isto, estamos abertos à ideia de ter vocalistas convidados no futuro.

Não tendo letras, como fazem para dar nomes às vossas músicas?
É uma ótima pergunta e é, provavelmente, a parte mais difícil de fazer! As primeiras músicas que escrevemos não tinham um tema comum de modo que era difícil chegar a algo. Quando decidimos que o nosso álbum estaria centrado em torno da natureza e todo o seu poder, mais ideias vieram à mente e tornou o nosso trabalho um pouco mais simples. Para Derecho e Red Tides, que foram as últimas canções escritas, o seu título influenciou o resultado final, porque inserimos efeitos sonoros relacionados com cada faixa e adaptamos a forma de tocar para se ajustar melhor ao sentimento.

Erosion é o vosso primeiro longa-duração. Como foi o vosso trajeto até agora? Sei que já lançaram um EP e um single...
Estamos muito orgulhosos de Erosion. Sentimos que demos um grande salto em frente em relação aos nossos lançamentos anteriores.

Como tem sido a aceitação no Canadá e o mundo da vossa forma inovadora de fazer metal?
A receção tem sido incrível, e não poderíamos estar mais felizes! Tivemos um espetáculo de lançamento de Erosion aqui em Montreal que foi muito bem-recebido. Há muita ação a decorrer em palco. Pensamos que não é apenas divertimento de ouvir Cydemind, mas, também, é divertido para se ver.

Têm tido muitas oportunidades para mostrar ao vivo a vossa criatividade e excelência?
Antes do lançamento fizemos alguns shows em Montreal e arredores. Agora, estamos numa mini tour aqui no Canadá chamada de Proggy Nights que terminará na cidade de Quebec no dia 18 de agosto, em Montreal a 19 e em Toronto no dia seguinte.

Projetos e objetivos para o futuro? Onde pensam que podem chegar?
Temos algumas coisas planeadas. Nada de suficientemente concreto para revelar por agora! Embora haja um segundo álbum a ser escrito…

Obrigado! Querem acrescentar mais alguma coisa?
Acabamos de lançar uma versão acústica de Another Day dos Dream Theater. Não hesitem em visitar o nosso Bandcamp e Facebook para ouvir o nosso álbum Erosion e muito mais!

Sem comentários: