RIP - Malcolm Young (AC/DC) - We Salute You!

Entrevista: Seven


O novo milénio tem-se revelado auspicioso para Mick Devine e os seus Seven. Em apenas dois álbuns atingiram um nível de popularidade que nem na Polydor tiveram nos anos 80. E se a “estreia” 7 ainda mostrava um coletivo à procura de alguma identidade, Shattered é claramente a afirmação incontestável de mais um excelente nome de rock melódico. Foi o próprio Mick que conversou com Via Nocturna a respeito deste novo disco.

Olá Mick! Obrigado pela disponibilidade! Como te sentes com esta tua segunda vida - dois álbuns em dois anos?
É ótimo ter a oportunidade de voltar depois de uma longa pausa e ter a oportunidade de lançar o álbum que deveríamos ter lançado na altura. E também por ter a possibilidade de trabalhar com alguns grandes músicos para escrever e gravar um novo álbum. Sinto-me abençoado!

Mas desta vez, Shattered é um disco mais maduro que 7. O que mudou?
Sabes que o primeiro álbum foi uma homenagem ao passado e foi a nossa oportunidade para completarmos um sonho. Quando terminou, começamos a trabalhar na criação de novas faixas, embora não tivéssemos uma direção clara, mas quando as faixas se começaram a juntar, ficou claro que o nosso som estava a evoluir desde o primeiro álbum. Acho que a maturidade presente em Shattered é porque amadurecemos como pessoas e músicos ao longo dos anos. Escrevi todas as letras deste álbum que definitivamente refletem elementos da minha vida. Lars Chris produziu o álbum com um feeling mais pesado que cria nos meus vocais melódicos uma vibração diferente. Acho que o resultado está incrível.

Um forte passo à frente, não concordas? Como descreverias Shattered?
Em primeiro lugar, fiquei muito surpreendido com a qualidade da produção e gravação do primeiro álbum já que Lars conseguiu trazer de volta o som dos Seven e respirar nova vida, atualizando-o. Quando começamos a gravar o segundo álbum, acho que a escrita e as performances melhoraram ainda mais à medida que progredíamos. Shattered é uma coleção de faixas de rock melódico realmente fortes, produzidas com uma vibe atualizada que equilibra os vocais de rock melódico clássico com um baixo que impulsiona e entrega a energia para elevar as músicas a um novo nível. É, certamente uma evolução do som original de Seven. As críticas de ambos os álbuns foram fantásticas, mais do que eu poderia ter esperado, e nos meus sites de Facebook e Twitter os comentários foram incríveis. Os links para minhas páginas são @MickDevineMusic no Facebook e @DevineMichael no Twitter. Visitem-me e digam-me o que acham.

Na verdade, estás a viver um dos melhores momentos de sua carreira?
Definitivamente. Parece irónico que agora, muitos anos depois, seja capaz de conseguir o que desejamos tão desesperadamente nos anos 90. O mundo da música mudou tanto ao longo dos anos com tantas das mudanças negativas para os artistas. Mas o elemento mais positivo é o quão acessível é hoje a produção de grande música com a tecnologia impressionante na ponta dos nossos dedos. Sem isso estes álbuns nunca teriam acontecido.

Como foi o desenvolvimento do trabalho até o álbum estar finalizado?
Depois que terminamos de gravar 7, comecei a trabalhar em algumas ideias musicais que me foram enviadas por Fredrik Bergh e Lars Chriss. Não tínhamos nenhuma ideia onde essas canções poderiam ir ou se se transformariam em algo de bom. Tudo o que fiz foi tentar criar as melhores melodias possíveis e, em seguida, foquei-me em escrever letras que tivessem um significado real para mim. Nada foi escrito para uma fórmula, apenas escrevemos o que parecia certo para a música. Com as demos gravadas, Lars começou a produzir as faixas com Kay, Fredrik e Andy na Suécia e os masters foram-me enviadas para o Reino Unido onde gravei todos os vocais e backing vocals no meu estúdio em casa. Também pedimos aos talentos vocais de Nigel Bailey para adicionar uma excelente textura vocal a algumas das faixas e também à minha esposa Lin, que acrescentou algumas texturas bem necessárias aos vocais de apoio em Pieces Of You. Finalmente as faixas foram misturadas por Lars e depois masterizadas por Mike Lind novamente na Suécia. Sim, Lars e Mike são verdadeiros artistas e mais uma vez produziram e depois masterizaram as faixas para produzir um grande álbum. Eu fico sempre espantado com as melhorias do produto final em relação às gravações iniciais. Eles realmente sabem o que estão a fazer!!

Durante quanto tempo trabalham nesta coleção de músicas?
Começamos a gravar faixas para este álbum pouco depois de lançarmos nosso primeiro álbum. Por isso, levou cerca de dois anos para escrever, gravar e lançar.

A respeito do processo de gravação, onde gravaram? Como decorreu a experiência?
Gravamos este álbum da mesma forma que fizemos no primeiro. Com ideias e vocais sendo enviados por e-mail para trás e para a frente entre o Reino Unido, Suécia, África do Sul e os EUA, todos os quais acabaram por regressar à Suécia para ser finalmente produzido. É a maneira moderna de gravar quando todos vivem em países diferentes.

Deste álbum já foram apresentados dois vídeos, certo? Que músicas e por que razão foram escolhidas?
O primeiro vídeo que gravamos foi para Light Of 1000 Eyes, que é a primeira faixa do álbum e é uma killer music para abrir o álbum. Depois gravamos um vídeo para Fight, que foi lançado no mesmo dia do lançamento do álbum. Escolhemos Fight porque é uma faixa kicking! Adoramos isso!

A partir de agora os Seven estão definitivamente em cena... para ficar?
Definitivamente! O lançamento de Shattered provou-me que o som Seven pode progredir e melhorar cada vez mais. Estou certamente comprometido em fazer outro álbum, desde que as pessoas o queiram ouvir. Também estou envolvido noutros projetos, por isso, por favor, fiquem atentos ao meu nome num futuro próximo.

Muito obrigado, Mick! Queres acrescentar mais alguma coisa?
Gostaria apenas de agradecer a todos os teus leitores que compraram o nosso álbum e espero que gostem. Para aqueles que não compraram, se gostam de ouvir boa música de rock melódico com uma abordagem moderna e pesada tenho a certeza que irão adorar Shattered... Por que não experimentá-lo? Mas, acima de tudo keep rocking e mantenham a música viva.

Comentários