RIP - Malcolm Young (AC/DC) - We Salute You!

Entrevista com Oceansize

Self Preserved While The Bodies Float Up é a mais recente proposta dos britânicos Oceansize, uma banda única no actual segmento musical. Como sempre, a banda volta a surpreender pelo seu arrojo e pela postura completamente descomprometida e sem qualquer tipo de compromisso. Aliás, isso mesmo ficou bem demonstrado com a louca conversa que tivemos com o teclista e guitarrista Gambler.

Depois das excelentes reacções ao vosso último álbum, sentiram algum tipo de pressão quando começaram a escrever este novo disco?
Somos um grupo muito auto-critico e super perfeccionista logo a única pressão que tivemos ao escrever um novo álbum veio de nós mesmos. Felizmente as nossas editoras (Beggars Banquet e Superball) deixam-nos sempre à vontade quando se trata de fazer novos discos. Deve ser porque somos uns dos seus nomes mais importantes e acho que se eles interferissem nós mandávamo-los esmagar a sua mesa de snooker e ninguém quer isso.

Na vossa opinião, quais as principais diferenças entre Self Preserved ... e seus antecessores?
Não sei bem a que antecessores te referes, mas acho que este é um disco mais maduro, somos uma banda que encontrou o seu lugar no mundo e é feliz por lá estar a desfrutar de algumas bebidas. Isso soa como uma banda que não precisa provar mais nada, como alguém que cresceu e não se sente a necessidade de ter um corte de cabelo ridículo ou vestir roupas mais dois tamanhos muito pequenos. Essa banda percebeu que não precisa se esforçar tanto para ser mais cool, porque já o é. Isso é o que acontece quando envelhecemos, paramos de tentar ser duros, porque não é preciso. Os Oceansize não precisam tentar ser mais cool, eles perceberam que já o são. Se houver alguém que não perceba isso não importa.
Considerando que a data de lançamento é apenas em Setembro, que expectativas têm vocês sobre o seu novo trabalho?
Tenho pensado muito e bem (cerca de 3 minutos) sobre o que significa desta pergunta e tenho medo de não ter a menor ideia. Mas vou tentar responder. Espero que este álbum arrase o imundo, deteriorando a música do mundo. Com os Oceansize virá a ruína e riremos como um valentão de escola de uma criança. Ou isso, ou ele vai vender uma pequena quantidade de cópias e ainda estaremos a jogar Tunbridge no próximo ano.

Qual o significado de um título tão longo: Self Preserved While The Bodies Float Up?
O teu palpite é tão bom quanto o meu companheiro. Literalmente, eu diria que é sobre cuidar do número um e ver todo mundo afogar-se como patéticas sardinhas, como o tipo de intimidação escolar. Ou então, acho que poderia ser sobre uma banda que fica num mundo selvagem e implacavelmente assassino enquanto vê muitos de seus contemporâneos sucumbir à pobreza / mulheres / namoradas / anonimato / drogas / doença / morte ou uma combinação. Não tenho certeza realmente.

Além do título do disco, temos aqui alguns títulos faixa enigmática: It’s My Tail And I’ll Chase It If I Want To; Oscar Acceptance Speech e SuperImposer/SuperImposter. Vocês gostam de brincar com as palavras nas vossas letras? Têm algum significado especial?
O Mike gosta de estar sempre a brincar com as palavras. Ele não pode ler ou escrever por isso desenha pequenos símbolos em pedacinhos de papel e coloca-os todos num chapéu e todos nós retiramos alguns e organizamo-los numa pequena história. Então, aqueles de nós que realmente podem ser forçados a ir para a escola têm que descobrir o que significa a história e depois vir para cima com um título ou letras com base nisso. É uma diversão agradável e às vezes leva a jogos, como Kerplunk ou Scramble Screwball.

Como decorreram as sessões de gravação desta vez?
Elas correram muito bem, obrigado. Gravámos o álbum no nosso estúdio (eu uso o termo estúdio muito vagamente), portanto nós estávamos muito animados sobre como ele iria acabar. Mark [Heron, baterista] e Steven [Hodson, guitarrista, teclista e baixista] saíram a meio para ir em tournée com sua outra banda, Kong. Assim tivemos que obter todas as suas partes primeiramente (que é o costume de qualquer maneira). Por isso foi a primeira vez que a banda não esteve toda junta em todo o processo. Mas tenho certeza que tu estarás tão satisfeito quanto nós com o resultado.

2009 marca o lançamento do vosso DVD, Feed to Feed e do álbum Home & Minor. O que nos podes dizer sobre estes dois lançamentos?
Fizemos três shows de aniversário em 2008 para comemorar dez anos a tentar fazer uma carreira (risos). Por isso nós pensámos ser uma caixa era perfeitamente justificada e absolutamente necessária para aumentar nossos egos e para nos dar coragem para seguir em frente. Home & Minor, por outro lado, é simplesmente a banda a tentar mostrar ao mundo que não somos apenas um sujo e pesado gigante tentando derrubar a sua casa e comer o seu cão, mas que também temos um lado mais sereno. Eu não acho que música tenha que ser alta e agressiva para ser poderosa; o silêncio pode ser tão perturbador como uma enorme parede de distorção (se bem que a enorme parede de distorção é mais divertido, claro).

Em termos da apresentação do álbum ao vivo, o que já está a ser preparado?
As datas que podem ser anunciadas agora já estão disponíveis no site e Myspace. Em breve sairemos em busca de fortuna e glória em alguns dos mais profundos recantos da Europa continental. Ao longo do caminho iremos encontrar fãs raivosos, miseráveis motoristas de autocarro (provavelmente), nativos inquietos e tais maravilhas e tesouros que o homem só pode ficar horrorizados e maravilhar-se. Voltaremos somente quando os nossos mais profundos medos e terrores forem conquistados e a nossa missão celestial de trazer Progressive Death Indie ao indigno for realizado. Vemo-nos em Stoke.

Comentários