domingo, 4 de dezembro de 2016

Flash-Review: Até Pensei Que Fosse Minha (António Zambujo)

Álbum: Até Pensei Que Fosse Minha
Artista: António Zambujo    
Editora: Universal Music   
Ano: 2016
Origem: Portugal
Género: MPB, Jazz, Samba, Cantautor
Classificação: 5.6/6
Breve descrição: Nome importante do cancioneiro nacional António Zambujo resolveu arriscar prestar uma homenagem a um dos seus maiores ídolos e surge Até Pensei Que Fosses Minha, disco que apresenta 16 versões de temas imortalizados pelo grande cantor brasileiro que é Chico Buarque, numa interpretação muito própria de Zambujo. O resultado é muito bom, com os ritmos de samba, jazz brasileiro e MPB a cruzarem-se com alguma portugalidade. E é uma forma diferente de os fãs do cantor brasileiro analisarem os seus imortais temas.
Highlights: Injuriado, Geni e o Zepelim, Sem Fantasia, Cálice, Tanto Mar, Valsinha
Para fãs de: Chico Buarque, Caetano Veloso, Adriano Correia de Oliveira, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Tom Jobim

Tracklist:
1.      Futuros Amantes
2.      Injuriado
3.      Cecília
4.      Geni e o Zepelim
5.      Sem Fantasia
6.      Folhetim
7.      Cálice
8.      Joana Francesa
9.      Até Pensei
10.  Janudria
11.  João e Maria
12.  O Meu Amor
13.  Morena dos Olhos D’Água
14.  Nina
15.  Tanto Mar
16.  Valsinha

Line-up:
António Zambujo – vozes
Marcello Gonçalves – violão de 7 cordas
Ricardo Cruz – contrabaixo
João Moreira – trompete
Bernardo Couto – guitarra portuguesa
André Conde – trombone
José Conde – clarinete
Paulino Dias – percussão
Anat Cohen – clarinete
Ronaldo do Bandolim – bandolim
Zé Paulo Becker – violão
Ricardo Silveira – guitarra elétrica
Marcelo Caldi – acordeão
Sérgio Valdeos – violão

Convidados:
Roberta Sá, Chico Buarque, Carminho - vozes

Flash-Review: Reloaded (Al Atkins)

Álbum: Reloaded
Artista: Al Atkins                   
Editora: Gonzo Multimedia   
Ano: 2016
Origem:  Inglaterra
Género:  Heavy Metal
Classificação: 4.8/6
Breve descrição: Reloaded é o novo trabalho do vocalista original dos Judas Priest, Al Atkins. Trata-se de uma coleção de temas das últimas quatro décadas de carreira incluindo temas desde os seus dias nos Priest até à sua última banda ao vivo Holy Rage. A guitarra continua a brilhar nas mãos do seu colega dos últimos tempos Paul May, mas a voz de Atkins volta a demonstrar algum cansaço não conseguindo projetar a qualidade que os temas têm no campo instrumental.
Highlights: Mind Conception, Cradle To The Grave, Love At War, Victim Of Changes
Para fãs de: Atkins May Project, Judas Priest, Halford, Holy Rage, Tim Ripper Owens

Tracklist:
1.      Winter
2.      Mind Conception
3.      A Void To Void
4.      Coming Thick And Fast
5.      Heavy Thoughts
6.      Never Satisfied
7.      Money Talks
8.      Cradle To The Grave
9.      Love At War
10.  Victim Of Changes
11.  Mind Conception (early Judas Priest demo extract) (bónus track)

Line-up:
Al Atkins – vocais
Paul May – guitarras, baixo
Rob Allen – bateria

Convidados:
Ian Hill e John McCoy – baixo
Ralf Scheepers – vocais
Roy ‘Z’ Ramirez, Stu ‘Hammer’ Marshall, Chris Johnson, Tsuyoshi Ikedo - guitarras

INFO's: Leon Alvarado, John Wetton, Spirits Burning & Clearlight e Curved Air

The Future Left Behind
LEON ALVARADO
2016, Melodic Revolution Records
4.3/6
Ainda a respirar as boas receções que o trabalho de 2014, 2014, Music From An Expanded Universe, teve, Leon Alvarado apresenta já o seu mais recente disco intitulado The Future Left Behind. É mais um álbum conceptual que conta com a presença dos convidados Rick Wakeman e Billy Sherwood (Yes), Johnny Bruhn (Circa) e Steve Thamer. Aliás, a notada presença de Rick Wakeman é justificada pela influência que o ex-teclista dos Yes tem em Alvarado. De facto, Leon Alvarado já afirmou que as suas ideias de construir álbuns conceptuais de prog rock instrumental surgiram quando ouviu o álbum Journey To The Centre Of The Earth precisamente de Rick Wakeman. A novidade desta vez é a inclusão de vocais, não na sua forma tradicional mas em narrações. Steve Thamer, conceituado voice-over canadiano, com uma vasta experiência em filmes e animações foi a escolha adequada. The Future Left Behind envolve o ouvinte numa aventura épica com música, história e imagens o que lhe permite soltar a sua imaginação criando uma experiência personalizada.

The Official Bootleg Archive Vol. 1
JOHN WETTON
2016, Primary Purpose/Cherry Red Records
5.3/6
John Wetton é conhecido como baixista dos Asia, UK e da era vermelha dos King Crimson, apresentando, ainda, um vasto fundo de catálogo em nome próprio. The Official Bootleg Archive Vol. 1 junta três dos lançamentos anteriores de Wetton conhecidos como Official Bootlegs, que estavam descatalogados há cerca de 10 anos. Esta edição limitada apresenta, no total, seis CD’s totalmente remasterizados e com novo artwork plenamente aprovado pelo músico britânico. Esta caixa é já o sétimo lançamento da própria editora do músico, a Primary Purpose, com distribuição da Cherry Red Records e é composta pelos álbuns Live In Argentina 1996 - concerto realizado no Broadway Theatre em Buenos Aires, na Argentina, a 19 de outubro de 1996 (CD 1 e 2), com John Wetton acompanhado de Thomas Lang (bateria), Billy Liesegang (guitarras) e Martin Orford (teclados e vocais); Live In Osaka 1997 – concerto no Club Quattoro, em Osaka, Japão, a 2 de outubro de 1997 (CD 3 e 4) com Thomas Lang (bateria), Billy Liesegang (guitarras) e John Young (teclados e vocais) e Live At The Sun Plaza Tokyo 1999 – concerto no Sun Plaza, em Tóquio, Japão, a 5 de agosto de 1999 (CD 5 e 6) com Steve Christey (bateria e percussão), Dave Kilminster (guitarras e vocais) e Martin Orford (teclados e vocais). Em todos os casos a remasterização esteve a cargo de Mike Pietrini.

The Roadmap In Your Head
SPIRITS BURNING & CLEARLIGHT
2016, Gonzo Multimedia
3.9/6
The Roadmap In Your Head é o 13º álbum do coletivo de space rock Spirits Burning e o segundo a contar com o teclista Cyrille “Clearlight” Verdeaux. Este é um álbum com uma forte componente Gong, uma vez que aqui colaboram quatro músicos da Gong’s Radio Gnome Invisible Trilogy (Daevid Allen, Steve Hillage, Mike Howlett, Didier Malherbe) e quatro membros dos atuais Gong (Ian East, Fabio Golfetti, Dave Sturt, Kavus Torabi), num total de 35 colaborações diferentes. The Roadmap In Your Head é um disco com uma pluralista mistura de ambient, jazz e space rock com incursões por outros géneros musicais. De acordo com Don Falcone, mentor do projecto, este disco retrata uma viagem musical que começa num possível dia e termina no seguinte, tocando diferentes estilos e géneros, maioritariamente em formato instrumental, como aliás, já tinha acontecido com os anteriores trabalhos, The Roadmap In Your Head é, também uma homenagem a Daevid Allen, falecido o ano passado, que aqui colabora, cantando o tema final Roadmaps e tocando guitarra no mesmo tema e na faixa-título. The Roadmap To Your Heart está nas ruas desde o dia 4 de novembro numa edição Gonzo Multimedia.

The Curved Air Rarities Series Vol. 2 – Curved Space & Infinity
CURVED AIR
2016, Cherry Red Records
4.0/6
Curved Space & Infinity é o segundo volume da coleção The Curved Air Rarities Series da banda britânica Curved Air. Este segundo volume é composto por dois CD’s numa única embalagem contendo elevando o habitual prog rock do coletivo ao nível da música instrumental improvisada. Isso significa que Sonja Kristina, a emblemática vocalista da banda, não tem aqui qualquer participação, embora seja um disco com o seu total apoio. Curved Space, originalmente lançado como Francis Monkman's Jam agora adicionado de dois temas bónus, conta com os instrumentistas Francis Monkman (guitarras), Florian Pilkington-Miksa (bateria) e Rob Martin (baixo). Infinity são novas gravações efectuadas em 2016 e contam com as prestações de Florian Pilkington-Miksa (bateria), Kirby Gregory (guitarras) e Robert Norton (teclados).

sábado, 3 de dezembro de 2016

Review: Malha Urbana (Brando Fel)

Malha Urbana (Brando Fel)
(2016, Independente)
(6.0/6)

Este ano tem sido fértil em lançamentos nacionais de grande qualidade, em géneros diferenciados, mas sob o denominador comum de uma grande capacidade criativa. Nomes como Liane, Dona Elvira, Xerife, UGO, SeBenta, Esfera, entre outros já por aqui passaram e agora surge mais um: Brando Fel. A banda da Amadora apresenta Malha Urbana, naquele que é já o seu terceiro trabalho. Apesar disso, este é o nosso primeiro contacto com o coletivo que nos surpreendeu de forma altamente positiva. O seu rock dançável, numa linha que cruza o funk de Pedro Abrunhosa, os ritmos estranhos (pelo menos ao nível da métrica) de Jorge Palma, os ritmos latinos de Raúl Marques e os Amigos da Salsa e as melodias próximas de cantores como Carlos Mendes ou Paulo de Carvalho, revela-se uma lufada de ar fresco. São nove temas de grande qualidade e criatividade, com letras sempre em português de grande requinte e com uma sensacional inclusão de sopros, cortesia de alguns elementos que colaboram permanentemente com a banda. A riqueza de Malha Urbana fica ainda mais acentuada com a participação especial de um ensemble de cordas que dão um colorido diferente ao tema Soco. Assim, rock, funk, jazz e latino dançam juntos como se tratasse de uma big band saída do Hot Club. Inicialmente, Malha Urbana está mais virada para os ritmos onde os sopros são preponderantes e nesse particular merece destaque um tema imortal como Problematizar. À medida que se avança no disco, a costela rock fica mais evidente, sendo o sensacional Quem Vier Atrás, o exemplo mais flagrante. E até nesse particular a banda foi inteligente criando um ordenamento perfeito para um disco arrebatador. Mais que altamente aconselhado, Malha Urbana é um disco OBRIGATÓRIO!

Tracklist:
1.      Euforia
2.      Dançar a Sós
3.      Problematizar
4.      Não Digas Nada
5.      Bairro Alto
6.      Alguma Coisa
7.      Do Avesso
8.      Quem Vier Atrás
9.      Soco

Line-Up:
Vasco Lima – guitarra e vocais
Gonçalo Martinho – teclados e coros
João Pereira – baixo e coros
Miguel Caiado – guitarra, percussão e coros
Nuno Almeida – bateria e coros

Colaboradores:
Jörg Demel – saxofone soprano e tenor
Pedro Azevedo – trompete e flughel
Tiago Afonso – trompete em # 5

Participação especial:
Clara Gomes – violino
Filipa Gonçalves – violoncelo
Bruno Gomes – violino

Internet:
Website    
Facebook   
Youtube   

Notícias da semana

Depois de Make Art, trabalho que granjeou aos Sticky Boys excelentes críticas, a banda francesa está de regresso com o seu terceiro disco intitulado Calling The Devil. Um disco onde o trio oferece 14 temas em 45 minutos de rock na sua forma mais pura e brutal, reinventando-se a cada momento. Calling The Devil traz, mais uma vez, o selo Listenable Records e tem lançamento agendado para 27 de janeiro.



Os hard rockers australianos Dellacoma lançaram um novo vídeo para o tema Time Falls Away, tema extraído do seu trabalho de estreia South Of Everything. O vídeo foi filmado nas históricas ruas de Boston pela Red 13 Media e realizado por Jim Foster.


Supernovas At Fever Pitch é o single digital de avanço ao próximo álbum dos Soundscapism Inc. O álbum chamar-se-á Desolate Angels e tem lançamento previsto para 16 de janeiro via Ethereal Sound Works. O single já está disponível em todas as plataformas digitais, nomeadamente Spotify, iTunes e Amazon, bem como no bandcamp do projecto e incluí dois temas novos: Supernovas At Fever Pitch e Sleep Arrives Under Your Wings.


Os Bed Legs lançaram o segundo videoclip do tema homónimo do seu primeiro álbum, Black Bottle. Um lamento sobre os vícios, desgostos e dissabores que desvirtuam a nossa essência ao longo da vida. Um berro vindo do fundo do oceano escuro e frio onde nos afundamos.




O novo e quarto álbum dos gregos Need chama-se Hegaiamas: A Song For Freedom e será lançado em janeiro. No entanto, os primeiros vídeos, para os temas Tilikum e Rememory já foram disponibilizados. A banda é praticante de um metal progressivo que justifica plenamente o epíteto de sofisticado.



Circles On The Water é uma fantástica balada dos russos Slot. O vídeo é o seu trabalho mais ambicioso até à data contento imagens poderosas e uma história que capta na perfeição a essência do tema. Este é um tema que faz parte do álbum Septima lançado na primavera deste ano pela Sliptrick Records.



O músico Arkadius Antonik (SuidAkra, Fall Of Carthage) e o conceptualista Kris Verwimp (Marduk, Manegarm, Thyrfing, Arkona) estão prontos para lançar Second Age, o novo álbum de Realms Of Odoric. O trabalho inclui 18 faixas que, conforme se reconhece pelo título, contam a história da Segunda Era de Odoric. O disco será lançado pela MDD Records. Devido ao estudo de Arkadius Antonik na Audiocaution Academy, as composições são agora mais maduras do que anteriormente. Pela primeira vez na carreira do projecto, as gravações tiveram a participação de vários convidados vindos de todo o mundo. Podem dar um breve olhar à evolução dos Realms Of Odoric na faixa Odoric Overture que foi executada pela Brandenburg State Orchestra ou na faixa Towering Solitude com a participação da violoncelista Eva Brömer.


Os Akoma são uma banda dinamarquesa de symphonic metal que acaba de assinar pela Massacre Records para o lançamento da sua estreia Revangels. Primeiro, foi revelado o artwork criado por Stefan Heilemann; depois foi apresentado o vídeo do tema-título, onde aparece como convidada especial Liv Kristine em dueto com Tanya.



Mais de quatro anos após as gravações, aís está o tão aguardado álbum de estreia dos … Of The Horizon. O trio traz consigo os opressivos graves, muito fuzz na guitarras e uma bateria intensa. Um álbum que irá transportar os ouvintes para qualquer deserto californiano.




Os Age Of Man são uma banda sulista de fuzzy blues-rock, composta por Matt Benson (guitarra solo e vocais), Brandon Borden (bateria) e Eric Stone (baixo/órgão). Com o seu novo trabalho, About Time, o power trio mostra os seus talentos: riffs catchy, grande trabalho vocal e uma secção rítmica fantástica. São 10 temas, seis dos quais já vêm do álbum anterior, mas apresentam novas remasterizações.



A banda húngara Ann My Guard assinou com a germânica Rock ‘n’ Growl Records para o lançamento do seu segundo álbum Ourania, previsto para janeiro de 2017 nos formatos CD e digital. Para já, foi disponibilizado o vídeo do tema Callisto.




Os Future Thives são a mais recente adição ao catálogo da Black Pike Favorits. O álbum de estreia desta banda de Nashville chamou-se Horizon Line e colocou o nome da banda entre os preferidos de Ryan Adams, Kings Of Leon e My Morning Jacket. O segundo álbum está quase aí e chama-se Live At Blue Rock. O vídeo para Rosie já foi disponibilizado.



Big Brother, Little Brother o primeiro single extraído do próximo álbum dos Mabel Greer’s Toyshop e foi lançado no passado dia 1 de dezembro. Este é o primeiro de um conjunto de oito temas a serem lançados na frequência de um por mês. Os oito temas estarão disponíveis para download e quem comprar a totalidade das oito canções terá direito, no final, ao CD e booklet de forma gratuita. Big Brother, Little Brother é um épico de quase nove minutos que giram em torno dos índios norte-americanos.


Karney é uma compositora/cantora sedeado em S. Francisco que tem escrito grandes músicas e colaborado com alguns notáveis e talentosos artistas, tendo sempre em vista as injustiças sociais e a passagem de mensagens positivas. Desde agosto deste ano que Karney tem vindo a lançar de forma digital algumas canções que fazem parte do seu álbum Renditions a lançar no início do próximo ano. Por outro lado, Singles Vol. 2: Restless w/ Same Song é um EP lançado no passado dia 18 de novembro em formato digital que faz parte de uma colecção de EP’s digitais que a cantora está a publicar incluindo diferentes versões dos seus temas.


A uma semana do lançamento de Blue & Lonesome, os Rolling Stones revelam uma nova canção deste álbum. Ride‘Em On Down é a terceira canção retirado do disco e já está disponível em vários formatos, inclusivamente em vinil azul de 10”, uma edição limitada a mil cópias do Record Store Day e disponível apenas em lojas de discos independentes. Blue & Lonesome é o primeiro álbum de estúdio da banda em mais de uma década e é editado a 2 de dezembro


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Entrevista: The Livesays

 
À partida para o seu novo álbum Billy Livesays não tinha ideias pré-concebidas sobre como iria soar. O músico de Miami pegou nalgumas canções mais antigas, construiu umas outras novas e o resultado é o melhor disco da carreira –acima de tudo, um disco de grandes canções de neo-classic-rock made in Florida.

Olá Billy! Obrigado pela disponibilidade! Novo álbum cá fora - quais são os teus sentimentos neste momento?
Bem, estou muito animado. Há algo especial neste disco. Adoro os outros álbuns que fizemos, mas por alguma razão este destaca-se.

Quais são os aspetos que consideras inovadores, relativos aos teus trabalhos anteriores?
Bem, não diria inovador, é mais como uma evolução em relação aos outros. Este é mais rock e, ao mesmo tempo, é mais sentido.

Neste álbum, há algumas músicas que foram feitas há alguns anos. É a primeira vez que surgem num álbum?
Sim. Parece que me esqueci delas (risos). A canção This Side Of Town foi regravada. É uma que a banda gosta, temo-la tocado ao vivo e recuperamo-la. Foi uma das primeiras canções que apresentamos em televisão.

Não considerando essas canções mais antigas, durante quanto tempo trabalharam nesta coleção de músicas?
Desde Faith, Hope and Love, aproximadamente 2anos. Começamos logo a tocar ao vivo.

Analisando as letras, este parece ser um álbum autobiográfico. É verdade? Basicamente sim embora, algumas músicas sejam sobre amigos e situações humanas.

E, também, olhando para o título, um álbum muito positivo...
Bem, a vida é um passeio selvagem como sabes e pode ser implacável se não estiveres atento às tuas costas.

Como descreverias este álbum para quem não vos conhece?
Eu diria que tem muitas influências Springsteen, bem como pop/rock de Miami.

Há outros projetos nos quais estejas envolvido atualmente?
Eddie Zyne, o baterista e eu tocamos com Tony Stevens, o baixista original de Foghat e Savoy Brown.

A respeito de estrada... o que está previsto?
Para já estaremos na Florida nos próximos meses. Estamos ansiosos por ir à Europa em 2017.

Muito obrigado, Billy! Queres acrescentar algo mais?
Apenas dizer obrigado pelo teu interesse e esperamos que o disco vos toque de alguma forma.